Liderança

A nova era horizontalizada impacta no universo corporativo


30/06/2022 Patricia Sampaio

Educação nos novos tempos

Mudança no paradigma dos laços sociais nos últimos 30 anos impacta nos processos organizacionais e estruturas familiares. A mudança de época que estamos vivenciando, independentemente da idade, raça e economia, nos traz a percepção de que a vida está de cabeça para baixo – nos encontramos frente a um homem desbussolado.

As mudanças vão desde o nascimento até a morte.

Vivíamos em um planeta, agora é outro. A semelhança está só na fotografia. O que mudou? Não nascemos mais como antigamente, não educamos e nem namoramos como antes, não trabalhamos e nem nos aposentamos da mesma forma, nem morremos mais da mesma maneira. Só os humanos mudam a maneira de ser, os bichos já nascem sabendo o que têm que fazer e assim permanecem.

Saímos de um índice de laço social vertical para o horizontal. No formato horizontal, era dito o que poderíamos ser ou não. Atualmente, isso não se limita mais a um modelo único de relação familiar, chefes nas organizações, padrões inflexíveis. Antigamente, raciocinar gerava a mesma conclusão. Agora, ressoar permite diferentes sentidos das coisas. “Podemos estar juntos sem compartilhar o mesmo sentido das coisas, tá ligado?” (todos juntos sem se falar, como na música eletrônica). Por isso os virais atingem um número gigantesco de pessoas, possibilitando sentidos tão diferentes.

Hoje em dia a gente pode mais do que a gente quer, mas nem tudo que nos é ofertado nós de fato queremos. Um mundo que chama a responsabilidade do sujeito humano a cada instante. Assim como a ética do artista, pessoas que inventam um mundo e se responsabilizam por ele.

Caminhamos da era da verticalidade de Terra Um para horizontalidade de Terra Dois, assim como nomeou Jorge Forbes. Perdemos a versão única da universalidade para multiplicidade e declaramos que a invenção e solução assumem responsabilidade.

Como devemos nos comportar nas empresas?

Diante da chegada avassaladora das startups, o trabalho home office, humanização de marcas, marketing digital, inúmeros formadores de opinião, inovações no formato da comunicação, é inegável assumir que o mercado definitivamente mudou. E agora? Agora é o momento das oportunidades: manter-se no cenário CLT em organizações tradicionais ou aproveitar a onda do empreendedorismo e arriscar-se unindo forças aos corajosos inventores que serão responsáveis pelas suas criações.

As mudanças comportamentais influenciaram em todas as áreas da nossa vida?

Com certeza. Desde a relação com os idosos, que são considerados os padrões das gerações passadas e se esforçam para acompanhar a evolução tecnológica e sobreviver. Nossos pais, que se consideram modernos por serem avós descolados e brincalhões junto às crianças que não vivem mais experiencias e nem padrões hierárquicos. Tudo diferente. Crianças perderam a referência da autoridade do professor no momento que, durante as aulas on line, o professor tinha menos conhecimento que eles sobre tecnologia. Inversão de papéis.

Quais são os impactos nas empresas diante das mudanças?

O modelo de trabalho home office adaptado na urgência, sem critério ou processos devido a pandemia, trouxe uma nova visão sobre a vida. O medo da COVID, pelo imenso número de mortes de familiares e amigos, sensibilizou a todos. Funcionários buscam mais qualidade de vida e humanização nas empresas, do contrário pedem demissão. Agora é a hora de inovação e aceitação. Um novo caminho, só de ida!

Como se adaptar neste novo cenário?

A gestão de pessoas e processos precisa ser priorizada. É urgente a necessidade de treinamento constante, focado na capacitação de líderes para conhecerem suas equipes e de acompanhamento do desempenho comportamental, além da performance técnica. É fundamental implementar processos que estimulem a inovação, imediatamente.  Partindo dessa visão e, com o apoio de profissionais qualificados, é possível fazer as mudanças necessárias para formar um grande time de líderes admirados e respeitados pelas pessoas que irão desejar trabalhar para você e sua marca.

Vamos juntos nesta formação de líderes humanizados e protagonistas?

 

Leia também: 4 Passos para formar uma equipe de sucesso

 

Voltar


4 Passos para formar uma equipe de sucesso


22/06/2022 Cris Jesus

Liderança se aprende ou a gente já nasce com esse dom?

Eu, pelo menos, não nasci pronta – tive que aprender como liderar. Eu recomendo fortemente que você preste atenção nestas orientações, pois liderar é uma arte que aplicamos em todos os momentos da nossa vida, não apenas no trabalho.

Boas equipes são formadas intencionalmente e não acontecem por acaso. Sempre que penso nisso, me lembro quando eu liderava uma pequena equipe de 30 mulheres, aproximadamente, e elas não se comprometiam com os resultados que buscávamos como time.

Eu nunca me esqueço da minha Diretora me falando “O seu time é o seu reflexo”. Se algo não está indo bem, comece a mudança a partir de você. Com essa reflexão, eu pude compreender que se eu queria uma equipe engajada, eu teria que definir objetivos claros e desenvolver esse time.

Sem visão, sua equipe não faz nada.

Transforme seu time através da autorresponsabilidade. Não se esqueça de que a equipe é reflexo do líder.

É importante também considerar que a dedicação de tempo a cada integrante pode ser diferente, de acordo com o grau de senioridade de cada profissional, mas todas as pessoas devem poder contar com a sua disponibilidade.

Ao desenvolver seu time, utilize referências que fazem sentido para você. Eu particularmente utilizo a bíblia para muitas coisas, como manual. Alguns pontos que sigo dela são senso comum e grandes lições sobre relações e liderança.

Eu considero que o maior desafio entre os líderes é ser consistente, pois todos passamos por ciclos de “rebeldia, repressão, arrependimento e restauração”.

Vamos falar dos 4 passos para ter uma equipe de sucesso:

  1. Não tenha pressa na hora de contratar.

Reflita e analise bastante os perfis antes de selecionar alguém para seu time. Como líderes, devemos buscar extrair o que há de melhor nas pessoas, não focar em colocar dentro delas o que está faltando. Quais características você deve buscar? Talento, caráter, determinação, atitude e energia.

Uma das lições mais úteis que aprendi nessa trajetória é que eu posso ajudar meu liderado a ser melhor do que ele é hoje, mas não posso transformá-lo em algo que ele não quer ser.

 

  1. Defina a realidade da sua empresa/organização.

Quais são o Propósito, a Visão e os Valores da empresa e quais as Expectativas de desempenho em relação a este novo colaborador?

Seus liderados conhecem a visão da empresa/organização? Sabem por que/ para que ela existe?

Conhecem seu Valores fundamentais, ou seja, as expectativas comportamentais claras sobre as quais não cabe fazer concessões.

A expectativa de desempenho precisa estar clara para que você consiga acompanhar, apoiar e responsabilizar.

Se os colaboradores tem essa visão da empresa desde o seu processo de contratação, os riscos de falta de alinhamento são minimizados.

  1. Estabeleça uma cultura de autorresponsabilidade.

Tenha empatia com os desafios e obstáculos no caminho, mas não tolere desculpas. Desculpas atrasam o progresso e fazem com que as pessoas deixem de se concentrar na solução.

Observe o dia que você resolve problemas criando novas alternativas e oportunidades, ao invés de buscar justificativas – ele é muito mais produtivo.

 

  1. Desenvolva um círculo interno.

Espero que até aqui você tenha compreendido que, estrategicamente, você deve investir um bom tempo selecionando e desenvolvendo as pessoas certas.

  1. Veja os que possuem maior potencial e interesse de crescimento e delegue responsabilidades mais complexas a estas pessoas – elas poderão ser suas sucessoras.
  2. Abra mão do poder para sua carreira avançar. Se você não delegar, vai continuar exatamente onde está.
  3. Responsabilize seu círculo interno pelos resultados.

E, por fim, lembre-se sempre: sua empresa para de crescer quando você também para!

 

Leia Também: A Presença da Liderança Feminina no Mundo Corporativo

Voltar


A Presença da Liderança Feminina no Mundo Corporativo


08/06/2022 Édila Tais

Passamos recentemente pela data comemorativa do “Dia das Mães”, pensei que fosse importante refletirmos sobre  os  desafios  profissionais  que  as  mulheres enfrentam no mercado de trabalho e, principalmente, nos cargos de liderança. Pois, estes desafios fazem parte do nosso cotidiano.

A presença de lideranças femininas nas empresas e no setor público é algo que ainda precisa percorrer um longo caminho para chegar ao ideal. A ascensão feminina tem avançado em função das discussões sobre a igualdade de gênero no mercado, bem como a iniciativa de empresas  que estão se posicionando para o alcance desse quesito. No entanto, as mulheres ainda recebem salários menores do que os homens e foram altamente afetadas pelo desemprego e pela sobrecarga de trabalho na crise da covid-19.

A atuação  da  liderança  feminina  é  acolhida  e  reconhecida  com  diversas vantagens na ocupação de cargos superiores, trazendo benefícios não só para os negócios, mas também para o mercado corporativo, contribuindo para uma sociedade mais justa. Os talentos das mulheres são nítidos, e as empresas que aparecem no mercado atualmente – em sua maior parte – indicam que as mulheres possuem habilidades que estão quase que sob medida para o perfil procurado em um líder gestor.

As mulheres buscam  conhecimento  contínuo, conferindo a preparação necessária para assumir as responsabilidades exigidas pelo cargo, quebrando barreiras de preconceito diariamente. Elas têm essa disposição de estar sempre com a atenção voltada ao aprendizado.

Além da busca pela equidade, outro desafio presente no dia-a-dia da mulher no mercado de trabalho é a administração do tempo necessário que cada responsabilidade requer.
Para isso, é preciso aprender a priorizar, focar e investir em um tempo de qualidade. Não são raras as vezes em que a mulher precisa conciliar vários papéis de atuação: profissional, empresária, mãe, esposa, filha, irmã, entre tantos outros.

Para  harmonizar  a  vida, os  sonhos  profissionais  e  pessoais, torna-se necessário desenvolver  e  formar  uma  rede  de  apoioSão muitas agendas sob sua responsabilidade e cabe a ela saber formar, delegar e contar com pessoas de confiança para apoiá-la nesta linda jornada. Pois, as mulheres, ao assumirem posições no trabalho, não precisam escolher entre a família e a carreira.

Outro  ponto  comum  e  tão  desafiador  entre  a  carreira  e  a  vida  pessoal  é  a necessidade de encontrar equilíbrio emocional. Trabalhar a mentalidade para entender que nem sempre será possível dar conta de tudo e que vai haver imperfeição e frustração. Aprender a ver os erros como um momento de aprendizagem, não como  fracasso.  Parar e  pensar  o  que  não  deu  certo  e  como  pode  ser  feito diferente.  Isso exige  mais  paciência,  menos  impulsividade  e,  principalmente, menos culpabilidade.

Reconhecer a existência desses obstáculos é o primeiro passo para saber como superá-los e, assim, conseguir realizar os seus sonhos na carreira e ainda abrir o caminho para que outras mulheres tenham um espaço cada vez mais seguro e justo no mercado de trabalho.

Outro importante passo é agregar seu aprendizado como MÃE para a carreira profissional.  Afinal, mães são  mulheres  fortes,  resilientes,  com  um  alto senso de urgência, bem como organizadas, multitarefas e ágeis na tomada de decisão.

Acredito muito na liderança feminina e na potência que temos como mulheres, de gerar novas perspectivas, de trazer prosperidade  para as empresas onde atuamos ou que construímos.

Há algo que é imprescindível lembrar: não são as habilidades que revelam o que é a liderança feminina. São as nossas escolhas diárias. Quais escolhas você, mulher líder, mulher empreendedora, está fazendo?  Quais propósitos você tem buscado nas suas escolhas diárias?

Talvez nossa  maior  escolha  esteja  bem  expressa  nas  palavras  de  Marlene Cohen  em  seu  livro  “Como  escalar  montanhas  de  salto  alto?”  (2009).  “A executiva brasileira se mostra significativamente indiferente ao poder, ela não quer mandar, como o homem; quer ter a capacidade de influenciar as pessoas, de ser reconhecida como sábia, sensata, capaz, quer ser um modelo”

Leia Também: Resolução de problemas: por que as soluções são tão difíceis?

Voltar


Resolução de problemas: por que as soluções são tão difíceis?


26/05/2022

Essa é uma pergunta que recebo todos os dias nas empresas por onde passo. Isso acontece, porque alguns problemas são tão incômodos que, muitas vezes, tiram o sono de gestores e muitas são as queixas, como “tentamos resolver esse problema toda semana (…)”, “é impossível resolver este desvio (…)”, “estou desanimado, não consigo resolver isso (…)”. Um problema pode ser conhecido também como erro, falha, desvio ou não conformidade.

Problemas são situações que ferem ou não atendem a um padrão ou critério determinado por uma empresa – aquilo que é considerado certo! Porém, o erro de uma empresa pode não ser considerado erro em outra. Em certas situações, a primeira falha de algumas empresas é, justamente, não ter esses padrões e critérios definidos. Isso faz com que cada uma “estabeleça” o seu próprio padrão e, aí, o que é não conformidade para uma organização pode não ser para outra.

Com critério e padrões estabelecidos, as falhas são facilmente identificadas, pois, ao não seguir esses padrões, temos um problema! O primeiro passo para encontrar uma solução eficaz para uma não conformidade é saber descrevê-la. Isso porque muitas pessoas confundem o problema com causa, escrevendo-o de forma tão simplificada que, ao lerem o texto, nem conseguem identificar nele realmente um problema. Descrevê-lo com fatos e dados torna a tarefa de resolvê-lo mais assertiva, portanto, ao relatar uma falha, você deve, então, ter claro qual é o padrão/regra da empresa e, se a situação está ferindo-a, coloque isso no papel.

Um outro fato que prejudica a resolução de problemas é a falta de identificação das pessoas ou áreas envolvidas na questão. Na maioria das vezes, a pessoa que faz a identificação é quem “ganha” de presente a tarefa de resolver, sendo que ela nem sempre é a mais indicada. Ou seja, é um erro de muitos gestores acharem que podem resolver tudo sozinhos, então, formar equipes com os “conhecedores do processo específico” contribuirá muito para encontrar uma solução mais adequada.

Sendo assim, agora que já tem um problema bem descrito e uma equipe adequada para tratá-lo, você precisa de um método para orientar a equipe nesse trabalho. O método para solução de problemas envolve a definição da causa raiz, ou seja, saber por que a não conformidade acontece, além de encontrar a definição da ação corretiva (solução) mais adequada e o acompanhamento da eficácia da solução tomada.

Nos casos em que a causa raiz é desconhecida, a equipe pode usar a ferramenta do “Brainstorming” para levantar o maior número de hipóteses possível ou a técnica dos 5 Porquês e, com o seu conhecimento, identificar aquela que seria a causa mais provável. Neste trabalho, encontramos causas em que é possível agir e onde não seria possível. Isso pode acontecer em função de motivos internos ou externos à organização. Por exemplo: hoje, as transportadoras estão sofrendo os efeitos negativos do aumento do preço do óleo diesel e essa é a causa de muitos problemas. Só que, uma transportadora, por si só, não tem como agir sobre essa causa. Dessa forma, ela precisará avaliar outras possibilidades que estejam ao seu alcance para resolver o problema.

Sobre as causas classificadas como “possível agir”, deve-se estudar a melhor solução. Neste caso, também podemos usar o brainstormig aliado ao conhecimento da equipe. Para isso, faça uma visita no local onde o problema ocorre e converse com as pessoas do setor sobre o assunto. Soluções também podem ser viáveis ou inviáveis, em função de custo, efeitos colaterais em outros processos, etc.

Após definir a solução do problema, é fundamental que a equipe defina quem vai implementá-la. Para isso, elabore um plano de ação (5W2H). Com a solução devidamente implantada, estabeleça um prazo para verificar a sua eficácia.  Caso você verifique que a solução implantada não foi eficaz, a equipe deve voltar na etapa de análise da causa raiz e escolher uma nova causa a ser trabalhada.

Em resumo, para identificar e solucionar verdadeiramente o problema, adote um método, escolha as pessoas certas e aperfeiçoe a habilidade resolutiva da sua equipe.

Autor: Geani Vieira dos Santos.

Leia Também: Inovação: por que ninguém pensou nisso antes?

Voltar


Inovação: por que ninguém pensou nisso antes?


18/05/2022 Thomas Grotto

Essa foi a pergunta que eu me fiz, quando comecei a ler sobre o sucesso de Rihanna com a marca Fenty Beauty. Então, vamos falar um pouco sobre este e outros casos de sucesso do mercado que vieram de inovações que são tão simples que nem parecem inovação.

Sobre a Fenty:

Lançada em setembro de 2017 pela cantora Rihanna, a marca Fenty é avaliada hoje em 2.8 bilhões de dólares, fazendo mais de 550 milhões em vendas por ano.

Para ilustrar o tamanho do feito, toda a área de beleza e cosméticos, o que inclui a linha de banho e cuidados pessoais, da Dove, que está no mercado desde 1957, faturou 4.98 bilhões de dólares. Ou seja, em menos de 5 anos de existência, a marca da rainha do R&B já faturou o equivalente a um décimo da oitava colocada no ranking mundial do segmento, comercializando um mix de produtos mais compacto, diga-se de passagem.

Como isso aconteceu?

Com a proposta de levar a beleza para todos, a marca Fenty foi lançada, tendo como carro-chefe bases e primers pensados especificamente em tons de pele que a indústria tradicionalmente tem dificuldade de atender, expandindo para um mix de produtos que segue essa premissa: beleza e cuidado para todos.

Inovação-por-que-ninguém-pensou-nisso-antes

Corretivos Fenty

Porém, estamos falando sobre inovação ou inclusão? 

Os dois assuntos estão relacionados! Após passar décadas utilizando as melhores marcas de cosméticos do mundo sem encontrar produtos adequados ao seu tom de pele, Rihanna simplesmente criou a própria marca para resolver esse problema. Ou seja, havia uma demanda, um problema sendo negligenciado pelas maiores empresas do mercado e isso permitiu que um novo e poderoso concorrente surgisse!

 

Estamos falando da Rihanna, e não dá para generalizar, né?

 

Não é questão de generalizar, são fatos. Existem diversas demandas e mudanças de comportamento acontecendo no mundo atual e que, muitas vezes, são negligenciadas por grandes corporações. Então, a título de esclarecimento, veja alguns indicadores interessantes que podemos encontrar em uma rápida pesquisa sobre o comportamento dos consumidores brasileiros:

 

– 46% afirmaram, em pesquisa do IPEC, que deixam de comer carne um dia por semana, por vontade própria, sendo que 32% optam por opções veganas, se elas estiverem disponíveis.

 

– 71% desejam que seu próximo carro seja elétrico.

 

No entanto, esses exemplos são apenas uma evidência superficial do que me refiro, isto é, a parte emersa do iceberg. Certamente, existem diversos outros comportamentos que, este que vos escreve, nem consegue imaginar e é justamente aí que o ouro reside! Na demanda não plenamente atendida, que é onde encontramos a inovação.

 

Então, novamente, como ninguém pensou nisso antes?

O mais provável é que muita gente não apenas pensou, como, também, manifestou essa necessidade e foi ignorada nos processos decisórios. Basta lembrarmos de como as estratégias comerciais de cosméticos eram até tempos recentes: focadas em uma beleza idealizada e padronizada. Assim, provavelmente, o sucesso dessas campanhas e estratégias fez com que o diferente fosse considerado… irrelevante.

Portanto, quando consideramos que nossas empresas são formadas pelo conjunto de pessoas que a compõem e que são essas pessoas que tomam decisões a todo instante nos mais variados níveis, decidindo a marca do café da cantina, até tendo escolhas estratégicas de alta gestão da organização, conseguimos deduzir que, se essas pessoas tiverem um perfil muito similar, elas terão processos de análise, tomada de decisão e ação similares. O que, potencialmente, limitará a capacidade de inovação, já quando temos times diversificados, temos pessoas com as mais variadas jornadas de vida e repertórios de experiências.

 

Então, tudo se resolve contratando pessoas diversas?

Não, certamente não. Tudo começa em buscarmos pessoas diversas. No entanto, a diversidade nas organizações, para ser de fato vivenciada e, consequentemente, impactar no output da empresa, precisa estar estabelecida na cultura organizacional. Ou seja, precisamos que ocorra um processo que leve à integração e naturalização da diversidade à organização e, para se chegar a esse ponto, existe um caminho a ser percorrido, que descrevo abaixo:

 

Desconhecimento/Indiferença:

Neste estágio, se está em um ponto de conhecimento nulo, logo, não há posição. Porém, hoje é raro estarmos realmente nessa posição, visto o alcance dos mais diversos meios de comunicação e redes sociais. Desse modo, nesse ponto de indiferença, em que erros e acertos não são intencionais, também ocorre muita negligência.

 

Incertezas:

São originadas de uma exposição ao tema diverso e incertezas, naturalmente, levam a medos. Isto é, aquilo que não se compreende, normalmente, é temido. Então, aqui começa o processo que pode levar, tanto a um meio de integração do diverso, quanto à resistência e às diversas fobias e ismos que conhecemos em nossa sociedade. Dessa forma, eventualmente, esse processo leva à interação com o diverso.

 

Compreensão:

A partir do momento em que se interage com o diverso, começa a ocorrer a compreensão dele, pois o individuo começa a sair de sua zona de desconhecimento e insegurança, e é percebido que aquele individuo é menos diferente do que se imaginava.

 

Integração

Acontece quando o respeito é estabelecido. O indivíduo se permite olhar para dentro do outro, conhecer sua história, entender sua jornada diversa e percebe que, na verdade, aquelas diferenças, apesar de não serem assustadoras, como imaginava anteriormente, são de grande impacto no todo, afetam as percepções e são, sim, um filtro para experiências, aprendizados e oportunidades. Nesse momento, passa-se a ir além da ideia de se naturalizar e tratar o outro de forma igual, ocorrendo um processo empático, em que alguns comportamentos são ajustados, não de forma discriminatória, mas de modo a ser justo, respeitando, celebrando e valorizando as diferenças.

Inovação-por-que-ninguém-pensou-nisso-antes

Inovação-por-que-ninguém-pensou-nisso-antes

Como descrito acima, ter uma empresa diversa vai muito além da ideia de contratar diversidade. É preciso falar sobre o tema, educar as pessoas, principalmente, a partir do exemplo de relações e da celebração do diverso. De nada adianta ter um discurso a favor da diversidade e excluir essas pessoas de todos os cargos de liderança, por exemplo, e, novamente, essa é tanto uma questão de condução ética dos negócios, quanto sobre uma gestão estratégica eficiente de três dos maiores capitais que qualquer empresa pode ter: humano, intelectual e cultural.

 

Leia Também: Você é um líder inteligente?

Voltar


Você é um líder inteligente?


13/05/2022 Gustavo Vale

Quando se pensava em inteligência, tínhamos, como referência, as avaliações de aprendizagem nas escolas tradicionais e os testes de Q.I. Ou seja, o Q.I. (Quociente de Inteligência) media a capacidade de se dominar o raciocínio, que hoje é conhecido como lógico-matemático. Porém, durante muito tempo, era o padrão para aferir se as crianças correspondiam ao desempenho escolar esperado para a idade delas.

No entanto, atualmente, medir o Q.I. não atende às necessidades de um mundo complexo e em transformação. Então, quais seriam as inteligências que o líder necessita ter para lidar com um mundo de incertezas e volatilidades? Vou te responder a essas perguntas no final desse artigo. Ao falarmos de inteligência humana, a tratamos como um potencial biopsicológico. Por isso, que, para que ela se desenvolva, vários outros fatores devem ser levados em conta, como a genética e o contexto social em que a pessoa vive.

Atualmente, temos muitos autores que dialogam sobre o potencial humano, a educação e suas nuances. Um dos mais renomados e reconhecidos internacionalmente é Howard Gardner, psicólogo cognitivo e educacional e professor na Universidade Harvard, uma das melhores do mundo. Autor de mais de trinta livros e dezenas de artigos publicados, Gardner é conhecido na área educacional, principalmente, por causa de sua teoria sobre as inteligências múltiplas.

Então, me diga uma coisa: o que tem em comum alguém que tem facilidade com música, uma pessoa que se relaciona bem com as pessoas, outra que utiliza seu corpo para fazer movimentos corporais inimagináveis e aquela que você conhece que tem muita facilidade com idiomas? Todas elas utilizam suas reais competências e habilidades. De acordo com Gardner, cada um de nós tem um número de faculdades mentais que são relativas. Ou seja, todos somos diferentes, e a inteligência humana estaria dividida, de acordo com ele, em sete tipos:

  1. Lógico-matemática: capacidade de realizar operações numéricas e de fazer deduções.
  2. Linguística: habilidade de aprender idiomas e de usar a fala e a escrita para atingir objetivos.
  3. Espacial: disposição para reconhecer e manipular situações que envolvam apreensões visuais.
  4. Físico-cinestésica: conhecida como inteligência corporal, é o potencial para usar o corpo com a finalidade de resolver problemas ou fabricar produtos.
  5. Interpessoal: capacidade de entender as intenções e os desejos das pessoas e, consequentemente, de se relacionar bem em sociedade.
  6. Intrapessoal: é a inclinação para se conhecer e usar o entendimento de si mesmo para alcançar certos fins.
  7. Musical: é a aptidão para tocar, apreciar e compor padrões musicais.

 

Depois dos primeiros resultados, alguns anos mais tarde, foram adicionados mais dois tipos: a inteligência existencial e a naturalista. A existencial reflete sobre itens relativos à existência humana, utilizada muito por filósofos e pensadores. Já a naturalista está relacionada à forma de lidar e com o conhecimento da natureza.

 

O QUE ISSO TEM A VER COM VOCÊ, LÍDER?

A primeira implicação da teoria das múltiplas inteligências, é que existem talentos diferenciados para atividades específicas. Traduzindo, pessoas têm habilidades diferentes, em funções diferentes, o que dá ao líder a função de identificar as necessidades e habilidades de cada função e colocar a pessoa certa para exercer suas principais inteligências em cada função.

Vamos dar um exemplo: o inventor, físico e matemático grego, Arquimedes, teve grandes contribuições para o mundo, tinha excepcional aptidão lógico-matemática, mas, provavelmente, não dispunha do mesmo pendor para outros tipos de habilidade. Podemos citar um dos mais importantes artistas da história da música, Johann Sebastian Bach (1685-1750), que foi um músico, compositor e organista alemão. Cantores e a congregação criticavam a sua aspereza no trato com os integrantes do coro, e o que dizer de Cristiano Ronaldo e a sua incrível inteligência físico-cinestésica?

Acredito que temos capacidades que são natas, e as capacidades inatas são desenvolvidas pela educação que recebemos e pelas oportunidades que encontramos para lapidar nossos talentos. Porém, o ambiente pode sufocar ou estimular as habilidades de cada profissional. Portanto, entender a singularidade de cada um, para se capacitar de forma específica e identificar como cada um pode se desenvolver, é um trabalho importante, a fim de termos equipes com habilidades complementares e que possuam os recursos que necessitam para entregar alta performance, sem sacrifício.

AFINAL, COMO DESENVOLVER O LÍDER?

Sabendo que cada pessoa precisa ser vista como uma potência a ser desenvolvida. Além disso, saber a intensidade, o nível de acompanhamento, a forma de abordar, o modo de acompanhar, tudo isso deve ser feito de forma individualizada e de forma sistêmica, para que eu, enquanto líder, olhe para cada membro da minha equipe como um contribuinte no todo da empresa, com o objetivo de termos resultados e satisfação pessoal andando juntos.

QUAIS SERIAM AS INTELIGÊNCIAS QUE O LÍDER PRECISA DESENVOLVER?

Sem dúvida, um bom líder é aquele que possui as seguintes inteligências:

LINGUÍSTICA, INTERPESSOAL E INTRAPESSOAL E EXISTENCIAL. De forma simples:

  • Saber se comunicar bem;
  • Conseguir gerir times, sabendo a necessidade do outro e o direcionar;
  • Lidar com as próprias emoções e ter o autocontrole para ser exemplo;
  • Saber olhar sistemicamente e dar uma visão clara a todos do que se espera, deixando claro quais os valores e para onde estão indo.

 

VAMOS PARA O RESUMO!

Pela própria natureza de suas descobertas, o trabalho de Gardner favorece uma visão integral de cada indivíduo, e a valorização da multiplicidade e da diversidade no ambiente de trabalho.

Assim, temos um sistema de ensino que ainda hoje valoriza quase exclusivamente a inteligência lógico-matemática e avalia que o que importa é o desempenho dos alunos em passar de ano, de estar na média, muito mais do que prepará-lo para as inteligências individuais e que vão gerar vantagem competitiva em cada um. Desse modo, disciplinas relacionadas às artes e esportes, por exemplo, ainda são apenas atividades extracurriculares.

Por fim, o teste de perfil, alinhamento de habilidades e o famoso bate papo, muito chamado de 1 a 1, irão ajudar o líder a desenvolver pessoas com o estímulo adequado em cada inteligência, e a mescla delas vai formar os melhores profissionais para as organizações. Sendo assim, como você tem contribuído para que sua equipe desenvolva as múltiplas inteligências? Quais são as suas? Está na hora de entender de pessoas, ser líder de gente!

Leia também: Seja óbvio – Simplicidade para uma comunicação eficaz

Voltar


Seja óbvio – Simplicidade para uma comunicação eficaz


21/04/2022 Fernanda Santoro

Certa vez, ouvi do CEO de uma empresa os seguintes questionamentos: “Como vamos fazer as pessoas entenderem esses novos pilares da estratégia que a matriz enviou? Como conectar a estratégia global com a local? É tudo muito complexo e os colaboradores podem achar que estamos mudando de rumo ou mudando a estratégia.” Respondi inicialmente com uma pergunta: “O que precisa ser transmitido está claro para você?” Ele respondeu que sim e então eu disse que bastava comunicarmos da forma simples para as pessoas e elas iriam entender. Apesar de parecer meio cético ao ouvir minha resposta, ele me deu autonomia e um voto de confiança para liderar o processo de comunicação. Tive suporte de um time de embaixadores, que representavam os olhos e ouvidos da empresa nas áreas. O resultado? Um ano depois realizamos uma pesquisa e 85% dos colaboradores afirmaram conhecer a estratégia da empresa e o mais importante: seu papel no atingimento dos objetivos.

Muitos se enganam ao pensar que o sucesso da comunicação se dá apenas por uma excelente oratória ou uma escrita bem elaborada. Uma comunicação eficaz começa com a escuta – primeiro de si para identificar o quê e por quê você quer comunicar algo e segue com a escuta do outro – que canais funcionam melhor para a assimilação do que é passado e que tipos de informação e formas de comunicar o fazem ter interesse e sentir que aquilo foi escrito/ falado para ele?

Não acredito em fórmula mágica para comunicação, apenas em um ingrediente fundamental: simplicidade. Quando a simplicidade está à frente de todo processo de comunicação, ele é muito mais efetivo. Isso porque deixa-se de lado a arrogância do óbvio – o outro não é obrigado a ter a mesma visão de mundo que o comunicador ou a enxergar as coisas sob o mesmo ângulo – nada que não tenha sido explicitamente comunicado é óbvio. Um exemplo, ainda relacionado ao case do início deste artigo: decidimos comunicar a estratégia a todos os colaboradores e veio uma dúvida…. mas será que todos os colaboradores sabem o que é uma estratégia? Óbvio que sim – já falamos de estratégia há tantos anos…será? Decidimos desconsiderar o óbvio e explicar aos colaboradores o que é uma estratégia empresarial, o que é visão, missão e pasmem: mesmo no nível de liderança havia confusão de conceito entre esses itens.

É sempre importante refletir se, ao comunicar, você está realmente buscando o entendimento do ouvinte ou se quer apenas cumprir o papel de passar uma informação. Se o seu objetivo é o segundo, dificilmente irá gerar engajamento. Quando você comunica algo a alguém e quer que essa pessoa entenda sua mensagem com clareza, precisa se colocar no lugar dessa pessoa e adaptar sua linguagem.

O conceito da simplicidade vale tanto para comunicações corporativas, quanto para pequenas reuniões ou diálogos do dia a dia. Vale tanto para o trabalho, quanto para a vida pessoal. Vejo tantos mal entendidos gerados por expectativas não compartilhadas, pelo óbvio não dito. Ex: não é possível que o outro não perceba que estou com mil coisas a fazer, precisando de ajuda. Sim, é possível. O outro, na maioria das vezes, não está vendo o mesmo cenário que você. Ou até pode enxergar o cenário e identificar que você precisa de ajuda, mas não irá saber se você quer/ aceita ajuda, a não ser que você diga. Algumas pessoas são naturalmente solícitas, outras tem medo de invadir o espaço alheio. Novamente: nada que não é explicitamente comunicado é óbvio.

Um excelente teste para saber se você está comunicando o óbvio, é perguntar frequentemente ao seu ouvinte o que ele entendeu da mensagem que você passou. Se a resposta estiver alinhada a sua expectativa de entendimento, excelente – você está no caminho certo!

Se você tem receio estar sendo óbvio demais e parecer estar diminuindo a capacidade de entendimento dos seus ouvintes, pergunte também a eles sobre o nível de detalhes que esperam. Ex: vocês gostariam que eu explicasse a diferença entre visão e missão de uma empresa?

Comunicação é uma troca – você precisa continuamente alternar fala e escuta para dar o tom correto e equilibrado.

Comunicação ainda é um dos principais fatores de insatisfação nas empresas. Estabelecer uma frequência de comunicação com o time, utilizando linguagem simples, objetiva e óbvia é um excelente caminho para diferenciação.

Leia Também: Confiança: uma questão de coragem

Voltar


VOCÊ É UM LIDER ASSERTIVO?


08/04/2022

Quando se pensa em liderança, alguns fatores devem estar presentes. Ou seja, líder é alguém que consegue direcionar pessoas a uma determinada direção, a fim de alcançarem um objetivo comum.

Porém, antes de falar de suas características, deve se ter em mente que o conceito de líder é o mesmo há muitos anos: uma pessoa capaz de unir, inspirar e influenciar um grupo de indivíduos, em prol de algo em comum. No entanto, o que tem se transformado com o passar do tempo é a maneira que ele executa esse papel e a ênfase que é esperada em suas ações, em sua maneira de agir.

Assim, há alguns anos, ser um bom líder não está mais associado a conquistar as pessoas por meio de uma postura autoritária demais. Isso porque as novas formas de se exercer a liderança são mais saudáveis e ajudam a construir ambientes de trabalho mais produtivos, empáticos e agradáveis. Uma postura esperada, na atualidade, é a de que um líder seja assertivo. Dessa forma, assertividade profissional é uma postura comportamental diante das pessoas e de situações cotidianas.

Em vista disso, um líder assertivo é firme e direto em suas posições, sem sentir ou causar constrangimentos. Outra característica é usar palavras suaves e argumentos fortes, indo direto ao ponto, porém, com tato. Também resiste às tentativas de manipulação e se posiciona de maneira firme, decidida e convincente, sem ser autoritário ou com o objetivo de prejudicar relacionamentos.

Ele sabe ouvir os colaboradores, dar voz a cada um, e se posiciona com firmeza e clareza. Assim, todos se sentem mais confiantes para seguir as suas orientações e, desse modo, o trabalho em equipe é fortalecido de maneira significativa e todos saem ganhando.

Dentre as suas qualidades, assertividade, autenticidade e transparência são características que caminham juntas, devendo sempre ser orientadas por um profundo respeito às outras pessoas. Além disso, um líder  assertivo também possui credibilidade, pois sua autenticidade, objetividade e habilidade de argumentação são percebidas como altamente significativas. Já a assertividade é uma virtude pessoal, que demonstra maturidade e segurança. Então, para ser mais assertivo, é fundamental que o líder desenvolva a sua autoconfiança e segurança. Para isso, ele deve:

  • Elevar a autoestima;
  • Desenvolver a autoconfiança;
  • Praticar a empatia;
  • Buscar ser mais objetivo com as palavras.

Essa última característica deve ser exercida todo dia, pois uma liderança assertiva tem, como um dos seus principais pilares, uma comunicação eficiente, clara e objetiva. Um líder assertivo não faz rodeios e ruídos que atrapalham a transmissão da mensagem, porque esse tipo de profissional vai direto ao ponto. Ao mesmo tempo, ele é firme e transmite credibilidade no que comunica.

Outro ponto a se considerar é que a liderança assertiva não se preocupa apenas em se comunicar com firmeza e tranquilidade, mas também está atenta à importância do feedback, que é essencial para a manutenção dos relacionamentos interpessoais no dia a dia de trabalho.

O ponto positivo desse tipo de liderança é que, havendo um feedback positivo ou negativo, ele será muito bem trabalhado para ser transmitido com clareza e tranquilidade. Assim, não existem possibilidades de agressividade, manipulação ou até mesmo indiferença, pois esse tipo de líder sabe como se posicionar sem medo e com interesse genuíno no crescimento do colaborador, não se sentindo acuado diante de uma tarefa complexa.

Também, além de melhorar a comunicação na equipe, um líder assertivo reduz as tensões do ambiente, pois é um profissional firme e capaz de mediar conflitos com maturidade. Ele  sabe que a eficiência na solução de um problema depende, em muitos casos, de uma boa condução do processo. Por isso, desde o início, o diagnóstico, as consequências e as possibilidades devem ser expostas com clareza para os envolvidos e, até, para toda a equipe, quando necessário. Com tudo isso, o líder contribuirá positivamente na busca por caminhos que solucionem uma questão problemática.

Por fim, uma liderança assertiva é capaz de conduzir muito bem os membros do seu time e, consequentemente, elevar a produtividade e o foco. Ela busca o melhor de cada membro do grupo, ajuda a construir uma equipe com alta qualidade, procura reunir os melhores colaboradores no lugar certo, de acordo com suas habilidades, e, ainda, sabe delegar, discutir e colocar na mesa as informações, compartilhando e somando conhecimento. Assim, posteriormente, como resultado, haverá uma sinergia e uma equipe com uma inteligência colaborativa. Então, depois de refletir sobre tudo isso, o que você precisa aprimorar para ter uma liderança mais assertiva?

Leia também: Empreender no mercado de franquias

 

Voltar


Empreender no mercado de franquias


30/03/2022 Eliana O. das Candeias Vespa

Os 9 passos para se ter sucesso em franquias

Os-9-passos-para-se-ter-sucesso-em-franquias

Empreender não é fácil! Isso porque não é só investir o dinheiro e pronto, empreender é se dedicar ao negócio, é fazer um bom planejamento e executar o que foi planejado.

Para muitos, o sonho de empreender está diretamente conectado ao desejo de deixar de obedecer a um superior e ser livre para colocar em prática suas próprias ideias. Porém, essa não é a realidade de quem investe em franquias.

Por esse motivo que o setor de franquias cresceu muito na pandemia, pois as pessoas se desligaram do seu emprego e resolveram empreender, em busca de um negócio que desse segurança e suporte. Agora que você já sabe que o ramo de franquias está em crescimento, quero te dar algumas dicas para se obter sucesso nesse ramo.

 

1º – Escolha o ramo de atuação

Veja e analise com cuidado o ramo que você quer abrir e se ele está ligado à sua área de atuação. Não escolha uma área pelo simples fato de a taxa de franquia ser mais em conta, pois pense que você irá se dedicar ao negócio por completo e precisa ter sucesso. Por isso, você precisa se identificar com o negócio.

Não escolha o ramo somente pelo valor investido. É necessário que você tenha gosto pelo mercado escolhido, além de comprometimento, determinação e força de vontade para executar o trabalho ao inaugurar o seu negócio.

Não pense que é porque você comprou uma franquia que não terá que trabalhar e se dedicar. Muito pelo contrário, você vai ter que se dedicar muito e colocar a mão na massa. Só assim sua franquia vai ter sucesso.

 

2º – Analise seus investimentos

 

Esse é um dado fundamental e importante: veja quais são as suas condições financeiras, se você tem dinheiro necessário para o investimento e capital de giro, pois será preciso arcar com as taxas de franchising, que normalmente são as taxas de royalties, de marketing e de gestão.

 

O início de uma franquia é um desafio, porque o franqueado vai ter que injetar dinheiro até conseguir chegar ao ponto de equilibrio, que normalmente ocorre no prazo de 1 ano ou mais. Tudo dependerá do trabalho e da dedicação do franqueado ao negócio, além disso, o retorno de um investimento normalmente ocorre no prazo de 24 meses.

 

3º – Fique atento à Circular de Oferta de Franquias (COF) 

 

Esse é o momento de você e a franqueadora se conhecerem melhor e de tirar todas as suas dúvidas. Nesse momento, será apresentada para você a Circular de Oferta de Franquias (COF), que são documentos em que estão todas as informações sobre o negócio, valores de investimentos e as principais informações sobre a rede.

Ainda, segundo a lei nº 13.966/19conhecida como Lei de Franquia , ela deve ser encaminhada ao novo investidor 10 dias antes da assinatura do contrato. Caso esse prazo não seja cumprido, o acordo perderá a validade. Seguem abaixo as informações importantes que devem constar na COF:

 

  • Dados sobre a franqueadora, como CNPJ e endereço da sede;
  • Histórico da marca;
  • Balanço e demonstrações financeiras;
  • Pendências judiciais;
  • Relação de franqueados;
  • Franqueados ativos e que se desligaram nos últimos 24 meses;
  • Equipe da franqueadora;
  • Informações sobre o mercado;
  • Descrição do negócio;
  • Cota mínima de compra;
  • Características dos modelos de negócio da marca de franquia;
  • Perfil desejado do franqueado;
  • Estimativa de investimento pelo franqueado, com descrição das taxas cobradas;
  • Estimativa de ganhos financeiros;
  • Regras sobre território (se haverá exclusividade ou não da atuação por um franqueado em determinada área);
  • Regras para sucessão ou transferência de proprietário;
  • Lista de fornecedores para atuação na franquia;
  • Lista de apoios prestados pela franqueadora;
  • Situação do franqueado após o término ou rescisão do contrato de franquia.

 

4º – Seja um bom gestor

Os-9-passos-para-se-ter-sucesso-em-franquias

 

O bom gestor tem que estar à frente do negócio e saber tomar decisões rápidas e necessárias na hora certa. Ser franqueado não é diferente, porque você precisa ter muito preparo e dedicação, além de ser necessário trabalhar muito e perceber os detalhes que envolvem a administração do negócio. É importante também estar por dentro do controle de gastos, desempenho dos colaboradores e atendimento aos clientes.

  O desempenho do franqueado é fundamental para o sucesso da franquia, sendo essencial que você acompanhe o fluxo de caixa e fique atento à gestão financeira. A sua franquia tem que começar a andar com as próprias pernas, sem correr riscos, por isso, é preciso ficar atento ao fluxo de caixa, às contas a pagar e a receber e às taxas obrigatórias da franchising (royalties, taxa de marketing e sistema de gestão).

  Portanto, é importante fazer um bom planejamento antes de comprar uma franquia e observar se você está capitalizado, para não levar sustos no futuro. Fazendo tudo isso de forma muito bem organizada e planejada, sua franquia terá muito sucesso.

 

5º – Ofereça um ótimo atendimento

 

  Tenha um atendimento diferenciado e personalizado, dessa forma, você conquistará o seu cliente. É a partir do bom atendimento que o seu cliente irá comprar o seu serviço ou produto e irá indicá-lo para os seus amigos e conhecidos. Ainda, o bom atendimento fará com que seu cliente volte mais vezes e adquira outros produtos ou serviços.

  O seu cliente tem que sair encantado da sua franquia, pois a propaganda “boca a boca” funciona muito bem. Desse modo, para que um bom atendimento ocorra, o franqueado tem que estar atento ao atendimento dos seus colaboradores, buscando sempre conhecer e aprender muito bem sobre o seu negócio.

  A franqueadora oferece todo esse suporte ao franqueado, além de todo o treinamento e consultoria. Para isso, é essencial seguir tudo o que foi passado nesses tópicos.

 

6º – Siga as normas da rede

 

Para muitos, o sonho de empreender está diretamente conectado ao desejo de deixar de obedecer a um superior e ser livre para colocar em prática suas próprias ideias. No entanto, essa não é a realidade de quem investe em franquias.

  Como já foi dito, toda franquia tem um modelo de negócio e todos os processos já foram desenvolvidos e testados com base em estudos de mercado, para que todos os franqueados o seguissem. Esse conhecimento é repassado para os franqueados, que devem replicá-lo nas suas unidades, sendo importante seguir todos os processos que a franqueadora passa.

  Todos esses processos fazem parte da receita de sucesso da franquia, assim, é essencial que o plano de negócio seja seguido na operação da franquia. Lembre-se que, por mais que o franqueado seja dono do negócio, ele precisa ficar atento às regras da franquia, seguir o que é preconizado e não mudar nenhum procedimento. Uma parcela representativa do sucesso do franqueado está associada a fazer a lição de casa bem feita.

 

7º – Tenha uma boa relação com a franqueadora

 

  Ao adquirir uma franquia, você está representando uma marca reconhecida no mercado e, ao mesmo tempo, para que você seja um representante da marca, é necessário ter um bom relacionamento com a franqueadora.

  Até porque essa parceria vai durar por todo o tempo que você estiver com a marca e esse tipo de atitude somente favorecerá o bom trabalho de ambos. É preciso ter transparência em suas ações à frente do negócio e ser sempre um bom colaborador, assim ambos terão grandes resultados.

 

8º – Treine sua equipe regularmente

Os-9-passos-para-se-ter-sucesso-em-franquias

Ao iniciar o seu negocio, você passará por um Treinamento de Novos Franqueados (TNF), em que será preciso passar por todas as áreas de gestão de uma franquia. Desse modo, permita que seus colaboradores se capacitem também para que todos estejam dentro do padrão de qualidade da rede.

Não pare somente no treinamento inicial e possibilite também, regularmente, uma capacitação dos seus colaboradores. Isso favorecerá o bom desempenho do negócio e irá aprimorar o atendimento e a prestação de serviço da sua unidade.

 

9º – Lembre-se de que você tem uma franquia

Os-9-passos-para-se-ter-sucesso-em-franquias

 

Muitos empreendedores adquirem uma franquia, só que se esquecem disso. Acham que, por terem comprado uma, não vão precisar mais trabalhar. Com isso, largam a unidade nas mãos de terceiros, depois reclamam de não terem tido sucesso e nem suporte da franqueadora.

Lembre-se sempre desse ditado: “o olho do dono é que engorda o gado”. Se você não se dedicar ao seu negócio em tempo integral, ele não irá crescer. Então, se o seu desejo é ver o seu negócio crescer e ter sucesso, você vai precisar estar ali o tempo todo, supervisionando os colaboradores e criando estratégias e oportunidades de melhorias e crescimento.

Por fim, você sempre poderá contar com o suporte da franqueadora para responder às suas dúvidas e desafios. No entanto, o mais importante é que os resultados da unidade dependam unicamente da sua atuação à frente da franquia.

Leia Também: Como ser autêntico sem saber quem eu sou?

Voltar


Como promover mudanças de forma simples e efetiva


23/03/2022 Veridiano Andrade

Como promover mudanças de forma simples e efetiva:

Estabelecer mudanças em nossas vidas é algo simples, porém, árduo, já que demanda muita disciplina e autocompaixão. Em nossa jornada, iremos ter insucessos e precisaremos recomeçar, não podendo nos autoflagelar por isso. Uma fórmula simples que procuro usar para promover mudanças é a seguinte:

 

  1. Entenda o que quer mudar e crie um sentimento de urgência para isso – o que não quer dizer sair fazendo as coisas sem pensar;
  2. Procure entender se essa mudança está alinhada aos seus valores e propósito, certificando-se se ela faz sentido;
  3. Avalie se você precisará de algo que ainda não tem, ou seja, desenvolver algo em você, alinhando isso a o que deseja. Dessa forma, tomará consciência do que quer mudar.
  4. Desenvolva uma visão do que quer mudar e o que isso lhe trará de benefícios;
  5. Entenda o que você terá que abandonar, ou seja, o que irá perder com a mudança;
  6. Deixe claro para você mesmo como o futuro será diferente, sendo possível torna-lo realizável e melhor;
  7. Faça acontecer e deixe as pessoas importantes impactadas por entenderem o que será essa mudança, para que, assim, elas possam apoiá-lo neste novo caminho. Parece besteira, mas isso fará ter o apoio das pessoas realmente importantes para você;
  8. Entenda o que vai precisar ser feito e não deixe nada que seja indispensável para promover a mudança sendo responsabilidade de outra pessoa que não você. Esta é a sua mudança, então toda responsabilidade de ação deverá ser sua;
  9. Após assumir a responsabilidade, a melhor forma de entender o tamanho dela é planejando as ações que você deverá realizar na busca da mudança. Assim, você saberá o tamanho do esforço e o real tempo necessário para que consiga atingir o seu objetivo

“Esta é a sua mudança, então a responsabilidade de ação deve ser sua.”

 

  1. Estabeleça metas claras, específicas e, independentemente de seu grau de importância, comemore as pequenas conquistas, pois elas o inspirarão a dar o passo seguinte. Comemore a evolução, comparando-a com o dia anterior, e se lembre que devemos dar um passo de cada vez, mantendo o foco no método.
  2. Cuidado com as armadilhas: esteja atento para não se acomodar e se contentar com as conquistas que ainda não geraram a mudança necessária. Cuidado com a sua vontade de não sair da zona de conforto, pois a sua disciplina é que irá dar a consistência e a persistência na busca do próximo passo que levará você ao êxito;
  3. Mantenha os novos comportamentos e certifique-se de que eles serão bem-sucedidos, até que se tornem fortes o suficiente para substituir as antigas tradições, comportamentos ou hábitos.

Pode parecer tudo muito óbvio, mas a mudança não pode ser fruto somente do desejo: ela tem que ser movimentada por uma ambição que fará você agir e buscar comportamentos que evidenciem o caminhar em direção à mudança.

Boa sorte!

Leia Também: Vendedor 2.0

Voltar


NEWSLETTER
Inscreva-se para receber:

    Faça o teste e descubra o nível de engajamento da sua equipe.

    Escola E3

     

      CONTRATE
      NOSSAS SOLUÇÕES

      Endereço
      Rua Serra de Botucatu, 878/880 – Conjunto 1604
      Vila Gomes Cardim – São Paulo/SP
      CEP: 03317-000

      Contato Comercial
      (11) 3132-8262
      (11) 94574-5234
      (11) 98136-3938

      E-mail
      atendimento@escolae3.com.br